Trabalhadores querem transformar Busscar em cooperativa

A Comissão de Trabalhadores ligados ao Sindicato dos Mecânicos de Joinville, Santa Catarina, vai apresentar em duas reuniões na sede da entidade sindical a proposta de formação de uma cooperativa para assumir os trabalhos na encarroçadora, que teve a falência decretada em setembro do ano passado, respeitando os trâmites judiciais do processo de falência.
Com dívidas totais que chegam a 1,3 bilhão (somando fornecedores, trabalhadores, bancos e impostos), a empresa fundada e controlada pela família Nielson ainda recorre judicialmente do processo de falência.
A Busscar chegou a competir pelos primeiros lugares no mercado com a Caio, encarroçadora no segmento de urbanos, e a Marcopolo, pelo segmento de ônibus rodoviários.
De acordo com nota do sindicato, a Unisol – União das Cooperativas do Brasil apoiou os planos da comissão de trabalhadores. “Nas últimas reuniões convocadas pelo sindicato para prestar esclarecimentos a respeito da situação processual da Busscar Ônibus, logo após a decretação da Falência, foram indicados os nomes de alguns trabalhadores, que estão acompanhando a tramitação do processo e o andamento dos trabalhos. Todos se colocaram à disposição. A par disto, sem qualquer interferência no trâmite do Processo da Falência, surgiu a idéia de cooperativismo, que resultou do contato de membros da UNISOL – União das Cooperativas do Brasil” – diz o comunicado.
Ainda de acordo com a Comissão dos Trabalhadores, a ideia de formação de cooperativa surgiu pela oportunidade de reabertura de postos de trabalho aos ex-funcionários e lucratividade a longo prazo, além de a possibilidade de retomar a produção da empresa que figurou entre as maiores fabricantes de ônibus do País.
Outros investidores: Além da Comissão de Trabalhadores, diversos investidores estão de olho na Busscar. Uma delas é a Caio, encarroçadora de ônibus líder no segmento de urbanos, mas que ainda possui pouca penetração no mercado de rodoviários. Antes mesmo da decretação da falência a Caio já havia apresentado uma proposta, à época não aprovada pela Justiça.
Após a decisão que declarou a falência da Busscar, a empresa manteve o interesse. Durante a Fetransrio, feira de produtos, veículos e soluções em mobilidade urbana, o diretor da Caio, Maurício Cunha, em entrevista coletiva disse que o interesse continua. “Se for razoável o valor que será dado à Busscar, a Caio sim continua com pleno interesse.” – disse Maurício Cunha.
“A Busscar como empresa não existe mais, sua planta está desatualizada. Mas seus ex funcionários têm experiência e podemos aproveitar para qualificar, atualizar as suas linhas” – contou o executivo na ocasião.
Além da Caio, outras empresas do setor também se mostraram interessadas pela estrutura da Busscar, que precisa ser atualizada. Estas empresas envolvem fabricantes e também houve a consulta de operadores de transportes.
Nos bastidores, fica claro que não está descartada a possibilidade de ocorrer com a Busscar o que já aconteceu com a Caio, que no final dos anos de 1990 entrou em falência e no início dos anos 2000 foi adquirida pelo grupo liderado pelo empresário José Ruas Vaz, que responde pela maior fatia dos serviços urbanos da Capital Paulista.
Compartilhe esta matéria

Administração UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *