SE: Usuários de ônibus reclamam da superlotação em Aracaju

O problema da superlotação nos transportes coletivos é uma reclamação diária dos usuários. Muitos alegam que os veículos atrasam e sem alternativas acabando entrando em veículos lotados. Usuários ainda reclamam da falta de fiscalização nos terminais de integração da capital e Grande Aracaju.
Ônibus atrasados e lotados são as principais reclamações dos usuários no Terminal  do Mercado, no bairro Industrial. A equipe do Portal Infonet flagrou na manhã desta quinta-feira, 2, usuários na porta de um transporte coletivo já lotado de passageiros, e mesmo assim, o ônibus seguiu viagem.
A cuidadora de idosos Maria Nete Santos, conta que espera até uma hora no terminal e para não se atrasar no trabalho acaba entrando no ônibus, mesmo superlotado. “Todos os dias os ônibus estão lotados. Chego aqui bem mais cedo, mas não adianta. Os ônibus já saem dos terminais lotados e os pontos cheios de passageiros”, afirma.
A usuária ainda reclama da falta de fiscalização nos terminais quanto a superlotação dos veículos. “Acho que estes ônibus deveriam ser mais fiscalizados para evitar acidentes”, diz Maria Nete.
A estudante Shalymar Oliveira também reclama da superlotação, principalmente, na linha Marcos Freire/ Centro. Segundo a estudante, o número de veículos não atende  a demanda. “Os ônibus estão sempre cheios e por volta das 6h a situação é pior ainda. Acho que deveria ser colocados mais veículos para atender a demanda e uma fiscalização mais intensa nos terminais”.
Segundo os usuários, as linhas mais problemáticas quanto à superlotação são Marcos Freire/Dia. Augusto Franco/ Bugio, Fernando Collor/Dia, Circular Cidade I e II. Linhas que segundo os usuários deveriam ter uma frota maior.
A Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) informou que a fiscalização nos terminais é diária e que a SMTT orienta as empresas a fazer a condução dos passageiros de forma segura. A SMTT ainda informou que há muita ocorrência de passageiros que insistem em ficar no veículo mesmo com a porta aberta.
Fonte e fotos: Infonet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.