Os números que revelam a grandiosidade da maior ponte marítima do mundo, inaugurada na China

O presidente chinês, Xi Jinping, inaugurou oficialmente a maior ponte de travessia marítima do mundo, nove anos após o início da construção e em meio a críticas de que o projeto —concebido para impulsionar o crescimento econômico— não passa de um “elefante branco” e de que causou “sérios danos” à vida marinha em seu entorno, além de mortes de trabalhadores.
GETTY IMAGES

Incluindo as estradas de acesso, a ponte abrange 55 km e liga Hong Kong a Macau e à cidade chinesa de Zhuhai.
A estrutura custou cerca de US$ 20 bilhões (o equivalente a R$ 73,7 bilhões) e registrou vários atrasos no cronograma. Seu prazo inicial de conclusão era o ano 2016, que acabou postergado devido à escassez de mão de obra e de materiais de construção.
A obra também foi marcada por problemas em questões de segurança – pelo menos 18 trabalhadores morreram em serviço.
Xi participou da cerimônia de inauguração, que aconteceu nesta terça-feira (23) em Zhuhai, junto com os líderes de Hong Kong e Macau.
O que há de tão especial nessa ponte?
A travessia conecta as três principais cidades costeiras no sul da China —Hong Kong, Macau e Zhuhai.
A ponte, projetada para resistir a terremotos e tufões, foi construída usando 400 mil toneladas de aço, o suficiente para erguer 60 torres Eiffel.
Cerca de 30 km do seu comprimento total atravessa o mar do delta do rio das Pérolas. Para permitir a passagem de navios, uma seção de 6,7 km no meio mergulha em um túnel submarino que passa entre duas ilhas artificiais.
As seções restantes são estradas de ligação, viadutos e túneis terrestres que conectam Zhuhai e Hong Kong à ponte principal.
Por que ela foi construída?
A ponte faz parte do plano da China de criar uma Grande Área de Baía, incluindo Hong Kong, Macau e outras nove cidades no sul da China —na esperança de competir com as de São Francisco, Nova York e Tóquio.
A área é atualmente habitada por 68 milhões de pessoas. E a expectativa é transformá-la em uma zona econômica com ênfase em tecnologia, como uma espécie de concorrente ao Vale do Silício dos Estados Unidos.
As indústrias de logística e turismo também esperam um grande crescimento na esteira do projeto.
A expectativa é por uma melhor integração entre essas áreas, mas não só isso.
A redução do tempo de viagem que ela proporcionará entre Zhuhai e Hong Kong é apontada como um dos ganhos: a expectativa é de que o percurso, antes feito em até quatro horas, seja concluído em 30 minutos.
Qualquer um pode atravessar a ponte?
Não. Aqueles que querem atravessar a ponte devem obter licenças especiais, distribuídas por um sistema de cotas. E todos os veículos pagam um pedágio.
A ponte não é atendida por transporte público, mas ônibus privados farão o percurso. Não há ligação ferroviária.
Autoridades inicialmente estimaram que 9,2 mil veículos atravessariam a estrutura todos os dias. Posteriormente, depois que novas redes de transporte foram criadas na região, eles reduziram suas estimativas.
Dirigir ao longo da estrutura promete ser um desafio: em Hong Kong e em Macau, as pessoas dirigem à esquerda, como no Reino Unido, mas o resto da China dirige à direita, tal como na Europa continental e nos EUA.
Folha de SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.