Patinete ganha calçadas em São Paulo e incomoda mais parada que andando

Elas ocupam nas calçadas um espaço que já é reduzido por bancas de jornal, mesas, cadeiras, placas e outras tralhas. Apesar disso, patinetes elétricas são bem toleradas por moradores e frequentadores do Itaim-Bibi (zona oeste paulistana), um dois bairros em que mais circulam esses veículos desde o último semestre.
Foto: Bird Divulgação/Ilustração – UNIBUS RN
Um dos motivos é o próprio congestionamento das calçadas e sua má conservação. “Nem tem como andar muito rápido”, diz o segurança Nilton Oliveira Santos, 41.
De seu posto à frente de um prédio na rua Pedroso Alvarenga, ele observa o que a Folha constatou por conta própria: com rodas pequenas e pouca margem de manobra, o veículo exige marcha lenta sobre pisos irregulares.
À espera de regulamentação municipal, o uso da patinete segue resolução do Contran: pode ocupar ciclovias e ciclofaixas (a no máximo 20 km/h) e calçadas, a até 6 km/h. Essa velocidade —semelhante a de uma pessoa andando rapidamente— é impraticável nos horários de pico no Itaim.
“Venho bem devagar, quase parando”, diz a consultora Gabriela Brephol, 24, na calçada da rua João Cachoeira. A lentidão não atrapalha. “A sensação de deslizar é tão boa. Volto mais feliz para o trabalho depois do almoço.”
Grande parte dos usuários, porém, prefere andar pela rua. O economista Luiz Eduardo Messa, 40, só sai da pista de rolamento se o trânsito está muito denso. “A calçada é muito desconfortável”, concorda o engenheiro Vinicius Kemmer, 32.
Para quem caminha pelo bairro, há outros candidatos a vilão. A pedagoga Maria Hermínia Lombardi, 88, cruza tranquilamente com patinetes todos os dias. “O problema são as motos. Não respeitam sinal fechado nem faixa de pedestre, e andam até pela contramão.”
Dona de uma banca de jornais Lucia Rosária dos Santos, 64, quase foi atropelada duas vezes. Por bicicletas. “Vivem pela calçada, e as de entrega correm muito. Qualquer dia vai ter desgraça feia.”
Aos 93, o funcionário público aposentado Mario Corbisier caminha com a ajuda de uma bengala e não se sente importunado nem por bicicletas nem por patinetes. “Quer saber o que me incomoda? É o carro. Outro dia quis passear com o meu e fiquei uma hora preso no trânsito.”
Recém-chegada de San Francisco, cidade que chegou a banir as patinetes, a economista Tainakã Tacca se sente mais segura no Itaim.
Na cidade americana, conta ela, o carrinho em que levava sua filha de 9 meses quase foi atropelado. Tainakã é a favor das patinetes, “uma ótima opção de mobilidade”, mas sente falta de regulação.
“Precisa organizar melhor, deixar claro que o pedestre é prioridade e aumentar a segurança para o usuário.”
No processo iniciado neste sábado pela prefeitura, um dos pontos em discussão é o tráfego pela calçada. O secretário de Mobilidade e Transportes, Edson Caram, defende a proibição: “Nossas calçadas hoje não são tão largas ou adequadas às vezes nem para o pedestre. Não dá para dividir com ciclista ou patinete.”
João Sabino, diretor de Relações Governamentais da Yellow, uma das empresas que operam patinetes na cidade, discorda: “No mundo todo, as ruas e calçadas vão mudando com os novos conceitos de transporte. Se falta espaço nas calçadas, o melhor é ampliá-las para comportar os novos meios de transporte”.
Opinião semelhante tem o vereador Police Neto (PSD), autor de um projeto de lei que organiza os serviços de compartilhamento de patinetes e bicicletas (o texto entrou em consulta pública em janeiro).
“Se tem mais gente querendo andar a pé ou de patinete, precisa mudar o sistema viário: ampliar a calçada, iluminar, investir mais nessas novas formas de mobilidade.”
Paula Nader, cofundadora e executiva da Grin —que na última semana se uniu à Yellow em uma nova holding— diz o melhor caminho é informar e orientar para criar uma nova cultura de convivência.
“Há oportunidades para melhorar e readaptar as calçadas para incorporar também as patinetes”, diz ela.
A julgar pelas cerca de 40 entrevistas feitas em cinco horas de visita à região, as patinetes parecem incomodar mais os pedestres quando estão paradas —ou “largadas”— em locais impróprios. “É uma falta de respeito com os cadeirantes”, reclama a consultora tributária Amanda Brandão, 36.
A Folha viu e fotografou veículos atravessados na calçada, sobre faixas de pedestre ou no meio do piso tátil usado por deficientes visuais.
Disciplinar esse estacionamento é outro item que vai ser discutido entre prefeitura e empresas. O secretário Caram defende também a redução da velocidade permitida nas ciclovias —na semana passada, dois acidentes com ferimentos foram registrados nessas vias exclusivas, nas avenidas Faria Lima e Berrini.
Já no bairro, não há relatos de problemas, segundo o 1º Batalhão de Polícia de Trânsito, responsável por policiamento e fiscalização de trânsito no Itaim-Bibi. O órgão afirma que não registrou ocorrência de acidente de trânsito envolvendo patinetes elétricas, nem recebeu reclamações relacionadas ao seu uso.
Folha de SP
Compartilhe esta matéria

Administração UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *