Ônibus de Recife devem ter ar-condicionado até 2023 e passagens podem ficar mais caras

A Câmara de Vereadores do Recife aprovou em plenário, na segunda-feira (27), por unanimidade, o substitutivo ao projeto de lei que determina a instalação de ar-condicionado em 100% da frota de ônibus que circulam no Recife, até 2023. Um anseio antigo dos recifenses, mas que deve vir acompanhado por reajuste no preço das passagens.
Foto: Ilustração
Em nota técnica enviada aos vereadores, o Grande Recife Consórcio sinalizou a possibilidade de reajuste de R$ 0,33. “Eu discordo desse aumento. A passagem aumenta todos os anos e nós temos somente 10,8% dos ônibus do Recife com ar-condicionado”, apontou o vereador Alcides Teixeira Neto (PRTB), autor do projeto de lei.
Para que o PL fosse aprovado e seguisse para a sanção do prefeito Geraldo Julio foi necessário um substitutivo, ou seja, uma proposta de nova redação ao projeto, de autoria do vereador Samuel Salazar. Ao passar pelas comissões de constituição e Justiça, Finanças e mobilidade urbana o prazo de seis meses, previsto originalmente no projeto, foi modificado para quatro anos. Desse modo, havendo a sanção de Geraldo Julio, a partir de outubro deste ano, os ônibus já começam a seguir a nova norma. Até outubro de 2020, 25% da frota já tem que estar adequada às regras, com outros três aumentos sucessivos do mesmo percentual até a conclusão de 100% dos ônibus em 2023. “Acredito que o projeto será sancionado, contamos com a sensibilidade do prefeito Geraldo Julio”, frisou Salazar.
O analista de sistema, Vinícius Santana, 27 anos, mora na Boa Vista e trabalha no bairro do Recife. Por dia, utiliza dois ônibus para se deslocar, além dos finais de semana, quando precisa do transporte para o lazer. “O ar-condicionado seria muito útil, ainda mais nos ônibus lotados que temos no Recife. Para mim, aumentar a passagem para ter isso não pesaria muito, mas têm muitas pessoas que pegam cinco, seis ônibus por dia, e para eles pesaria bastante”, afirmou.
Grande Recife
À Folha de Pernambuco, o diretor de operações do Consórcio Grande Recife, André Melibeu, afirmou que o valor de R$ 0,33 foi estipulado após a divisão do valor do investimento necessário para colocar ar-condicionado em toda a frota, R$ 21,4 milhões, pelo número de passageiros do Recife que utilizam as 75 linhas que circulam dentro da capital e não fazem parte do Sistema Estrutural Integrado (SEI), que tem outros municípios no trajeto.
Para ele, caso a lei seja mesmo sancionada, isso poderia gerar a necessidade de estipular uma tarifa diferenciada para o recifense. “Geraria uma tarifa para Recife e outra para o sistema. Não teria mais tarifa única, seriam duas. Esses passageiros (das linhas de Recife) teriam uma tarifa diferenciada, seria como o opcional”, apontou Melibeu, ressaltando que uma outra opção poderia ser a divisão entre quem é de Recife e quem não é de Recife.
Folha de Pernambuco
Compartilhe esta matéria

Administração UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *