Governo estuda implementar sistema de pedágios sem cancelas, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou nesta quinta-feira (27) nos Estados Unidos que o governo brasileiro estuda implementar um sistema de pedágios sem cancela—o chamado “free flow”—nas rodovias do país.
Foto: Fernando Stankus/VisualHunt – Ilustração
De acordo com o ministro, o pagamento eletrônico automatizado e a extinção das cancelas faria com que o usuário pagasse somente pelo trecho percorrido, aumentando a base de pagantes e criando uma “justiça tarifária”.
“A ideia é vir com o free flow, fazer a aquisição automática de dados do veículo para que a gente possa fazer o pagamento eletrônico, liberando as cancelas, fazendo um pagamento mais automatizado mas, sobretudo, aumentando a base de pagantes e fazendo com que os usuários paguem pela parcela realmente consumida, utilizada da rodovia”, afirmou o ministro durante palestra em Washington.
O sistema de pedágios sem barreiras é utilizado no Chile e, segundo o ministro, é possível implementar tecnologia suficiente para capturar, por exemplo, o ponto que um veículo deixou a rodovia.
Dessa forma, o motorista vai pagar por trecho rodado e, na avaliação de Freitas, o processo vai dar mais segurança aos investidores, que poderão calcular melhor suas receitas.
Durante palestra em Washington, o ministro usou o exemplo do trecho Rio-São Paulo no qual, segundo ele, circula 70% do PIB nacional, porém, na concessão atual apenas 10% dos usuários pagam pedágio.
O ministro passa dois dias na capital americana. Além da palestra da manhã desta quinta, que não foi aberta à imprensa, ele participou de reuniões com empresários e investidores e executivos do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).
Freitas ainda deve assinar um memorando de cooperação com a secretária de Transportes dos EUA, Elaine Chao.
Diante das autoridades e empresários, o esforço de Freitas foi fazer um discurso otimista sobre o cenário econômico brasileiro, destacando as privatizações de rodovias, ferroviais e portos como forma de aumentar a produtividade. Em março, a concessão de 12 aeroportos arrecadou R$ 2,3 bilhões para o governo federal.
A sexta rodada de venda já havia sido anunciada pelo ministro com 22 terminais.
Folha de SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.