Maioria se opõe a plano de Bolsonaro para o trânsito, mostra Datafolha

Os projetos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que afrouxam a fiscalização de trânsito são reprovados pela maioria da população, segundo pesquisa Datafolha.
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
A proposta de acabar com a multa para quem transporta crianças de até sete anos sem cadeirinhas nos veículos é a que tem maior oposição, de 68% dos entrevistados.
Pelo projeto de lei do presidente, a penalidade pecuniária seria substituída por uma advertência por escrito.
Bolsonaro ainda prometeu acabar com radares de velocidade nas rodovias, o que é reprovado por 67% dos que responderam a pesquisa. Uma parcela também majoritária, embora menor, é contrária ao plano de aumentar de 20 para 40 o limite de pontos da carteira de habilitação: 56%.
A pesquisa foi realizada nos dias 4 e 5 de julho, com 2.006 pessoas acima de 18 anos, em 130 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
Em junho, Bolsonaro entregou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), projeto de lei com uma série de modificações do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que diminuem a chance de condutores serem multados.
A medida foi um aceno de Bolsonaro a parte de seu eleitorado, principalmente os caminhoneiros.
Na época, ele afirmou que quem reclama das propostas “que procure um taxista, motorista de caminhão, quem vive no trânsito, [que] às vezes com um pequeno descuido perde a carteira de trabalho”.
Os itens citados, contudo, não são apoiados pela maioria das pessoas com carteira de motorista —no país, são 72,4 milhões. Entre os entrevistados que possuem habilitação, 70% são contrários ao fim da multa pela falta de cadeirinha e 58% desaprovam ao plano de retirar radares das estradas.
Quanto ao aumento do limite de pontuação, os habilitados se dividem e ficam tecnicamente empatados —50% têm opinião contrária e 48% são favoráveis.
Entre os que declararam voto em Bolsonaro, 52% são a favor da duplicação do limite de pontos antes da suspensão da carteira, e 45% não apoiam a mudança.
No entanto, mesmo os eleitores bolsonaristas são contra a retirada dos radares (58%) e não apoiam o fim da multa para as cadeirinhas (63%).
De forma esperada, os eleitores do rival de Bolsonaro no segundo turno das eleições, Fernando Haddad (PT), são majoritariamente contra todas as medidas, chegando a 79% de oposição na questão dos radares nas rodovias.
Levantamento feito pela Folha mostrou que houve redução média de mortes de 21,7% nos quilômetros de rodovias federais em que o dispositivo eletrônico foi colocado.
Bolsonaro é forte crítico do que chama de “indústria da multa” por meio dos radares, mas não apresentou estudos técnicos para embasar suas declarações nem as medidas.
A família do presidente —o próprio Bolsonaro, a primeira-dama, Michelle e três dos filhos —recebeu ao menos 44 multas de trânsito nos últimos cinco anos, conforme a Folha revelou.
A primeira-dama e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) somam infrações que ultrapassam o limite de 20 pontos para o período de um ano —o que, em tese, acarretaria a suspensão do direito de dirigir.
Entre os entrevistados, 21% afirmam que foram multados nos últimos 12 meses, contra 79% que responderam negativamente à pergunta.
De acordo com a pesquisa, a maior parcela dos entrevistados (41%) diz acreditar que as propostas para o trânsito feitas por Bolsonaro tornarão o trânsito mais violento. Para 36%, a situação continuará igual. Outros 20% afirmam que os projetos do presidente proporcionarão um trânsito mais seguro.
No estrato das pessoas que avaliam o governo como ótimo ou bom, 29% afirmam que as medidas tornarão o trânsito mais seguro, 24% dizem que vai ficar mais violento e 44% avaliam que não haverá mudança.
Os entrevistados com nível superior e com renda acima de cinco salários mínimos estão mais pessimistas —55% dos com maior grau de estudo e 49% das pessoas com renda maior dizem acreditar que a situação vai piorar.
Na divisão por religião, os católicos têm maior índice de pessoas que dizem que o trânsito vai ficar mais violento do que os evangélicos, base de apoio de Bolsonaro —43% contra 33%, respectivamente. Para 20% dos católicos e 23% dos evangélicos, as medidas melhorarão a segurança.
O projeto de Bolsonaro enviado à Câmara traz uma série de outras mudanças. O texto, por exemplo, acaba com a multa para condutores que guiem sem o farol baixo ligado durante o dia.
O projeto também põe fim na exigência de exame toxicológico para a emissão e renovação da CNH para as categorias C, D e E (o que inclui veículos de carga e ônibus).
MULHERES DE BAIXA RENDA SÃO AS MAIS EXCLUÍDAS DO TRÂNSITO
A pesquisa Datafolha mostra que a carteira de habilitação é mais rara entre as mulheres e pessoas com menor renda.
Uma parcela de 39% dos brasileiros com 18 anos ou mais possui carteira de motorista. No caso das mulheres, o índice é de apenas 24%. Já entre os homens o percentual é de 55%.
A posse do documento aumenta proporcionalmente à renda. Entre as pessoas que ganham mais de 10 salários mínimos, o percentual alcança 80%. No extremo oposto, entre as pessoas com renda menor de dois salários, só 20% têm CNH.
O menor índice é das mulheres nessa faixa de renda, estrato em que só 9% possuem habilitação para dirigir (contra 37% dos homens na mesma situação). Das mulheres com renda familiar acima de cinco salários mínimos, 2 em cada 3 são habilitadas.
Colaborou Júlia Zaremba
Artur Rodrigues
Folha de SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.