Rio: Cadeirante se arrasta para subir em ônibus com elevador quebrado

Maria Izabel Rodrigues Alves, de 45 anos, moradora de Vaz Lobo, voltava da academia onde faz musculação, em Campo Grande, na manhã de segunda-feira, quando, ao tentar subir no ônibus 790 (Cascadura-Campo Grande), se viu humilhada. Como é cadeirante e o elevador para embarque adequado estava quebrado, teve de se arrastar nos degraus. A única ajuda que teve foi de outra passageira, que carregou sua cadeira de rodas.
Foto: Reprodução
– Minha deficiência não me limita. O transporte público, sim. É revoltante, deprimente e aterrorizante! Uma discriminação – desabafou.
Após lesões na coluna ocorridas há 16 anos num acidente domiciliar, Maria Izabel deixou de andar. Mesmo assim, tornou-se atleta – pratica esportes como jiu-jístsu e tênis – e dançarina. O transporte municipal, no entanto, não permite que ela tenha a mesma desenvoltura que demonstra no salão de dança, na quadra ou no tatame.
Para ir de casa até a musculação, Maria precisa pegar um coletivo de Vaz Lobo até Madureira, onde embarca no 790, com destino a Campo Grande. A cena, gravada por outro passageiro com a câmera do celular, ocorreu na volta para casa.
– O motorista avisou que o elevador não estava funcionando, mas peguei aquele, porque outros dois já haviam passado direto ao me ver no ponto – contou a passageira, que, para desembarcar, também precisou de ajuda de passageiros e do motorista, que colocou sua cadeira de rodas na calçada.
Essa não foi a única humilhação pela qual a cadeirante passou na mesma linha. Há cerca de um ano, acidentou-se ao tentar descer do ônibus no elevador para cadeirantes. Na ocasião, chegou a ser atendida no Hospital Municipal Salgado Filho, onde ficou internada por dois dias.
A Transportes Barra, responsável pela linha 790, disse que identificou o ônibus com defeito e o recolheu para reparo. Afirmou que a frota da empresa é revisada diariamente e “todos os coletivos saem da garagem em perfeitas condições”, mas que defeitos “podem ocorrer durante as viagens”.
EXTRA – RJ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.