FETRONOR indica que pode haver colapso nas empresas do RN

FETRONOR indica que pode haver colapso nas empresas do RN

Por UNIBUS RN
Fotos: Ilustração/Divulgação CNT

O Portal UNIBUS RN conversou com o Presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste – FETRONOR, Eudo Laranjeiras Costa. Segundo ele, o transporte do Rio Grande do Norte chegou a perder até 80% da demanda, dependendo da localidade, de maneira muito rápida. “As empresas não estavam preparadas pra isso”, afirma.

Leia também: Para maioria das empresas, crise do coronavirus será sentida por até oito meses

De acordo com o empresário, um dos maiores problemas ocorre pelo fato de que as empresas de transporte são consideradas como “serviço essencial”: “É preciso estar com a frota maior que a demanda. Então estão rodando 50, 60% da frota, com 20, 30% de demanda. Por ser um serviço essencial, ficamos sem muito pra onde correr: Temos que rodar e pronto, e aí a coisa fica difícil”, declara o empresário.

Eudo indica que os próximos 30 dias poderão ser “muito difíceis” para o transporte, inclusive resultando em demissões no setor e na paralisação das empresas de ônibus. “Nós temos a seguinte situação: 70% dos custos das empresas estão entre óleo diesel e despesa de pessoal, e as empresas não funcionam se isso não for pago.” Para exemplificar a gravidade da crise atual, ele cita o caso da empresa a qual dirige, a Trampolim da Vitória, maior operadora da região metropolitana de Natal: “No domingo passado (dia 12 de abril) a empresa operou, e o que foi apurado não pagou nem o óleo diesel. Se eu não consigo pagar o óleo, que são 30%, quem dirá (que vai conseguir) pagar o pessoal, que são 40%. Então, pode ter colapso”, alerta.

Apesar do risco, Eudo lembra avanços já obtidos pela Federação, entre eles a negociação com o Sindicato dos Trabalhadores e Transportadores Rodoviários do Rio Grande do Norte (SINTRO-RN), para adesão a Medida Provisória 936/2020, do Governo Federal, que institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, e a solicitação da redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao Governo do Estado para as empresas do setor no atual momento, na qual ele afirma que o governo “está sinalizando que pode acontecer”. As medidas contribuem com o setor do transporte coletivo local.

Dificuldades no planejamento

Na avaliação de Laranjeiras, a grande dificuldade das empresas no atual momento é a impossibilidade de realizar um planejamento, de modo que indique a retomada dos serviços: “Essa tem sido a grande dificuldade do empresariado em geral: A gente não tem como fazer um planejamento. Eu não posso fazer um planejamento para uma semana, para 30 dias, para 60 dias, porque a gente não sabe o que vai acontecer”, lamenta.

Com isso, a tendência é que a oferta do serviço de transporte se mantenha de forma “capenga”, como o próprio empresário define, já que é um serviço essencial. Ao mesmo tempo, as empresas lutam para se manter, pedindo, especialmente, o apoio do poder público.

Neste sábado, o Governo do Estado, fez a doação de 10 mil máscaras aos trabalhadores do transporte, após atuação da FETRONOR.

Veja também: Fetronor consegue junto ao Governo do Estado a doação de mais de 10 mil máscaras aos trabalhadores do transporte

Além disso, Eudo garante que o “diálogo está bom” com o Governo, em relação à solicitação feita para reduzir o ICMS para as empresas no atual período, apesar de todas as dificuldades que o Estado enfrenta. O diálogo também melhorou com os bancos, setor considerado de mais difícil acesso pelas empresas, “mas nos reunimos toda semana, e já melhorou bastante em termo de abertura de crédito para o pequeno”, garante.

Em compensação, há dificuldades na aceitação dos pleitos das empresas urbanas de Natal junto a Prefeitura da capital. De acordo com Eudo, as empresas urbanas de Natal têm encontrado resistência nas solicitações feitas ao executivo municipal, especialmente em relação à isenção de impostos locais, como o Imposto sobre Serviços (ISS): “Acho que o Prefeito Álvaro deveria ser mais flexível. A gente sabe a situação do município, mas ele também sabe as dificuldades das empresas”, alerta o empresário. O Portal UNIBUS RN procurou a assessoria de comunicação da Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal (STTU) para comentar as declarações do empresário e as ações que estão sendo feitas para as empresas de ônibus de Natal no atual momento, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.

Veja também: Seturn garante funcionamento da frota em Natal e pede desoneração de impostos para evitar falência de empresas

O empresário destaca ainda ações positivas que têm sido feitas em diversas cidades em prol do transporte no atual momento, como o subsídio às empresas, ajuda do poder público para pagar a folha dos funcionários, compra de passagens, e até mesmo a suspensão das passagens gratuitas de idosos e estudantes: “Estudante é para estar em casa, porque está proibido ter aula. O idoso tem que estar em casa porque é grupo de risco. Mas mesmo assim, estamos transportando 13% estudante e 11% de idoso”, lamenta.

Leia também: UNIBUS Entrevista – “Os empregados estão apavorados porque podem perder seus empregos, assim como os empresários estão apavorados porque podem perder suas empresas”

Compartilhe esta matéria

Redação UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *