Plano de Retomada da Economia no RN recebe parecer favorável do Comitê de Especialistas da Secretaria de Saúde do Estado

Plano de Retomada da Economia no RN recebe parecer favorável do Comitê de Especialistas da Secretaria de Saúde do Estado

Da FETRONOR
Foto: Júnior Mendes/Ilustração

O Comitê de Especialistas da Secretaria Estadual de Saúde Pública para o enfrentamento da pandemia pela Covid-19 emitiu, nesta quarta-feira (20), parecer técnico favorável ao Plano de Retomada Gradual da Atividade Econômica do Estado do Rio Grande do Norte. O órgão consultivo afirma, em seu parecer, que “o plano apresenta boa qualidade técnica e demonstra um esforço articulado do setor produtivo na elaboração do documento. E precisa ser amplamente divulgado para toda sociedade, como forma de esclarecer e receber outras colaborações”.

Elaborado pela Fetronor, Fecomércio-RN, Faern, Fetronor, Fiern e Sebrae, com o apoio da FCDL RN, da CDL Natal, da Facern e da Associação Comercial do RN, o plano apresenta um conjunto de propostas e de protocolos para direcionar a retorno as atividades econômicas do estado, de forma progressiva e segura, que deve acontecer por determinação de decreto estadual para a flexibilização do isolamento social em virtude da pandemia do Covid-19. Por ora, as medidas foram prorrogadas até o dia 4 de junho, de acordo com novo decreto do Governo do Estado, publicado nesta quarta-feira (20).

O documento aponta duas opções para o retorno gradual, divididas em três ou quatro etapas, com protocolos de saúde específicos para os segmentos da economia potiguar. E mostra a tendência de curva de disseminação da COVID-19 e de abertura e ocupação de leitos de UTI como condicionantes a retomada das atividades. E estabelece como cenário ideal para o retorno quando a ocupação dos leitos públicos de UTI estiver entre 50% a 60%. A ideia é que entre cada uma das etapas ocorra com intervalos entre 10 e 14 dias.

Sem data fixada para a reabertura das atividades, o documento expõe um planejamento de medidas estratégicas e condicionadas à expansão da capacidade de testagem no Estado; à situação dos leitos hospitalares; às peculiaridades das regiões do Estado; e à adoção das ações transversais aliadas ao protocolo específico da atividade.

Compartilhe esta matéria

Redação UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *