Transporte: como nos moveremos na nova normalidade?

Transporte: como nos moveremos na nova normalidade?

Do El País
Foto: Ilustração/UNIBUS RN

Os relatórios de mobilidade comunitária COVID-19, realizados pelo Google durante a disseminação da pandemia, documentaram como o coronavírus mudou os padrões de mobilidade em 131 países. Na Espanha, por exemplo, esse período de exceção provocou uma queda de 58% nas viagens para locais de lazer, uma diminuição de 48% nos empregos, mas um aumento de 19% nas viagens para áreas residenciais, de acordo com os dados mais recentes coletados em 21 de maio. O que não está tão claro, no entanto, é como o meio de transporte escolhido mudará para nos levar para os destinos para onde iremos a partir de agora ou a frequência com que o faremos.

Quando ainda existem restrições de circulação em todo o país, veículos particulares e de aluguel, bicicletas e transporte público tiveram que se adaptar em alta velocidade a uma nova realidade cheia de perguntas. Haverá uma recuperação no uso do carro e da motocicleta? Outras formas alternativas mais sustentáveis ??ganharão força? Como o metrô e os ônibus se adaptarão à permanência das medidas de distanciamento social? Estes são alguns dos cenários que se abrem no futuro mais imediato.

Veículos particulares buscam seu horizonte

A situação econômica é adversa para o setor automobilístico, se olharmos para os números de vendas na Espanha: em abril passado foi o pior mês desde que os registros estão disponíveis, com queda de 96,5% em relação ao mesmo mês de 2019 , de acordo com dados das associações de fabricantes Anfac, revendedores Faconauto e vendedores Ganvam.

No setor, eles estão correndo para encontrar soluções para estancar a queda. A Faconauto, por exemplo, fez um investimento para manter os pontos de venda em funcionamento, o que inclui iniciativas como o selo da Concessionária protegido contra COVID-19 e a compra de equipamentos de proteção individual e produtos desinfetantes para testar veículos. Da mesma forma, algumas marcas começaram a oferecer planos de financiamento com juros de 0% e descontos de até 7.500 euros – no caso da Renault francesa -, além de estender a garantia aos clientes que se esgotaram no estado de São Paulo.

Apesar de tudo, parece que o novo normal não vai encurralar carros e motocicletas. Em 4 de maio, o primeiro dia da fase 0 da reabesrtura em Barcelona, ??o Conselho da Cidade registrou uma queda menor no uso de carros do que no metrô na hora do rush: 52,7% em comparação com 75%. Em todo o país, e de acordo com dados da Diretoria Geral de Trânsito, enquanto no início de maio os movimentos de veículos leves haviam diminuído mais de 60% em relação ao mesmo período do ano passado, a queda foi moderada no dia 25 de mesmo mês para ficar em 30%.

A permanência dos regulamentos de distância física se traduzirá em um incentivo ao uso de veículos particulares? “É provável que, a curto prazo, muitos prefiram que se mude. Ainda assim, devido à incerteza econômica e trabalhista, comprar um carro novo não será uma prioridade. No entanto, devemos evitar optar por um veículo antigo, com o impacto negativo que causam na qualidade do ar, descarbonização e segurança no trânsito”, argumenta José López, CEO da Anfac.

De olho no futuro e levando em conta as restrições cada vez mais severas que muitas cidades impõem aos veículos mais poluentes, o mundo das quatro rodas está comprometido em promover modelos híbridos que, segundo um relatório da Bloomberg, será responsável por mais da metade das vendas mundiais de carros novos em 2040. “Devemos aproveitar a vantagem para avançar na eletrificação das linhas de produção, digitalização e Indústria 4.0. É hora de criar valor agregado e uma vantagem competitiva”, diz o CEO das associações de fabricantes.

O retorno à normalidade do aluguel de veículos

No caminho para uma nova normalidade, as quatro empresas de compartilhamento de carros que operam em Madri retomaram suas atividades em 20 de maio, após a suspensão do serviço em março, exigindo o uso de uma máscara e desinfetando veículos várias vezes ao dia para garantir a segurança do usuário.

Ricard Castells, diretor da Sales Renting Auto, da Sabadell Renting , analisa que o retorno à normalidade apresenta um cenário favorável para esse tipo de serviço que em poucos anos se tornou um ator essencial da mobilidade nas cidades: “O número de indivíduos aumentou, não apenas devido ao medo de contágio nos transportes públicos, mas também devido à incerteza do novo cenário de trabalho, que, por exemplo, indica que continuará apostando no teletrabalho.” Por esse motivo, o serviço foi adaptado a essas novas necessidades, oferecendo flexibilidade, ele diz: “Na Sabadell Renting, por exemplo, há até 6 meses de período de carência inicial ou o pagamento é oferecido por quilômetros”. “Essa nova normalidade também causou um claro aumento na atividade das empresas ligadas à entrega em domicílio, o que também nos mostra uma mudança no modelo de distribuição vinculado ao comércio digital”, diz ele.

Para ele, a nova realidade acentuou um modelo que já prevalecia nos últimos anos, tanto para pessoas físicas quanto para empresas. Para ele, o futuro da mobilidade está em um serviço flexível e mais destacado de veículos próprios. “Não é mais estranho alguém pagar pelo consumo de conteúdo audiovisual das diferentes plataformas e essa realidade também alcançou mobilidade, sem ‘tê-la’, com um modelo que se adapta às necessidades de cada usuário o tempo todo. A possibilidade de pagar um aluguel com todos os serviços incluídos proporciona conforto e tranquilidade, além de poder ter os últimos avanços tecnológicos em segurança e conectividade o tempo todo”, explica Castells.

Além disso, o aluguel também foi consolidado como uma opção para quem deseja apostar em carros elétricos ou híbridos, segundo Castells. O diretor da Sales Renting Auto garante que a demanda tenha aumentado e que o crescimento da conscientização social para o ambiente que ocorreu com a pandemia fará com que os usuários optem definitivamente por esse tipo de veículo: “Para mais em cinco anos, apostamos em outro tipo de mobilidade, passando dos veículos a diesel para a gasolina e, nos últimos dois anos, promovendo modelos elétricos e híbridos, cada vez mais procurados”.

Uma oportunidade para a bicicleta

As grandes avenidas de Barcelona e Madri, cheias de pedestres e ciclistas que ocupam um espaço previamente reservado para veículos a motor, fizeram Esther Anaya pensar que é possível transformar a mobilidade nas cidades. Esse pesquisador do Imperial College London, especializado em mobilidade, acredita que estamos enfrentando uma “oportunidade única” de implementar um modelo “mais acessível, inclusivo, sustentável, saudável e justo para todas as pessoas”. “A mobilidade ativa, caminhadas e ciclismo também era uma prioridade sem uma pandemia, mas agora é mais porque oferece a possibilidade de se mover com segurança contra infecções”.

Em abril passado, a Ministra da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico, Teresa Ribera, pediu à Federação Espanhola de Municípios e Províncias (FEMP) que os municípios incentivassem o uso da bicicleta em trânsito para a nova normalidade. Esta recomendação, que não tinha um plano de financiamento para implementar medidas específicas, encontrou até agora uma resposta em Barcelona. Lá, o consistório iniciou a criação de 21 novos quilômetros de ciclovia em 10 pistas, além de 30.000 novos metros quadrados para pedestres. Por seu lado, a Comunidade Valenciana anunciou em meados de maio subsídios de até 250 euros para a compra de bicicletas e scooters.

O último barômetro de bicicleta da Rede de Cidades para Bicicleta (RCxB) indicou que em 2019 quase 1,5 milhão de espanhóis entre 12 e 79 anos usavam esse meio diariamente para ir trabalhar ou estudar. Mesmo assim, esses números são insuficientes em comparação com o resto do continente. Enquanto o uso habitual da bicicleta era de 8%, em média, nos países da União Europeia, na Espanha era de 3%, segundo o Eurobarometer on Quality of Transport of 2014.

Na opinião da pesquisadora do Imperial College, Esther Anaya, “foi cientificamente comprovado que os benefícios do ciclismo superam os riscos. Se priorizamos a bicicleta, priorizamos a saúde e a prosperidade de todas as pessoas e o meio ambiente”, acrescenta.

Nas últimas semanas, Barcelona e Madri reativaram seus serviços de aluguel de bicicletas, assim como outros atores que aderiram recentemente à mobilidade das cidades, como as scooters elétricas. Na capital, três das mais de dez empresas que possuem uma frota de scooters começaram a operar com o uso obrigatório de luvas em meados de maio.

Os desafios do transporte público

Em 19 de março, apenas cinco dias após a declaração do estado de alarme, a rede de transporte público na região de Madri passou de mais de cinco milhões de usuários por dia para ver esse número reduzido para quase 500.000. A frenagem foi forçada antes da desaceleração econômica e das restrições de movimento. No entanto, qual será a solução para um novo normal iminente?

Atualmente, segundo Pulso, a ferramenta do Banco Sabadell para analisar a recuperação econômica em tempo real reflete uma queda do metrô no município de quase 70% em relação ao mesmo período de 2019, pois representa apenas 33 % do volume de negócios de um ano atrás. Este número é confirmado por Luis Miguel Martínez, gerente do Consórcio Regional de Transportes da Comunidade de Madri, explicando que os quase 1,2 milhão de passageiros diários que afirmam ter ônibus e metrô de fase 1 na região ainda estão longe de 2,5 milhões que podem acomodar-se às regras do distanciamento social.

À medida que a flexibilização progride, o principal objetivo é evitar multidões nos horários de pico. Martínez diz que, com as informações de cerca de dois milhões de telefones na região, eles prevêem aferição diária, o que pode levar ao fechamento de estações ou ao reforço de linhas estruturais. Da mesma forma, é de opinião que um relaxamento do horário de trabalho dos viajantes contribuiria para aliviar os horários com mais passageiros.

Compartilhe esta matéria

Redação UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *