Reabertura impõe desafios a serviços de transporte público

Reabertura impõe desafios a serviços de transporte público

Do Valor Econômico
Foto: Lucas Moura/Ônibus Brasil – Ilustração

As incertezas sobre quanto tempo o brasileiro terá de conviver com a covid-19 e a reabertura progressiva da economia impõem desafios aos serviços de transporte de massa e aos meios alternativos de deslocamento. Nesse quadro, tornou-se necessário atualizar frequentemente os protocolos sanitários e de operação. A pandemia reforçou ainda velhos problemas, como as dificuldades de acesso para quem precisa se movimentar diariamente entre casa e trabalho, que aprofundam desigualdades sociais. No setor privado, por sua vez, mais empresas passaram a recorrer ao serviço de companhias como a Uber e a 99 para transportar os seus funcionários.

Em grandes cidades, como São Paulo, os modais vêm se readaptando à retomada do fluxo de circulação de pessoas e aos alertas dos órgãos de saúde, rotina que refez cálculos para sair de casa. Com filas mais longas e regras de afastamento a seguir, o percurso pode levar mais tempo ainda, especialmente para quem mora fora do Centro expandido. Já em cidades como o Rio, onde os meios de transporte já eram precários para atender a parcela considerável da população, há risco de os sistemas entrarem em colapso. Concessionárias alertam que estão sem caixa e operam sob o risco de interromper o funcionamento.

A demanda de passageiros em São Paulo por ônibus intermunicipais (EMTU), trens convencionais (CPTM) e Metrô chegou a 20% no período de quarentena em relação ao movimento normal anterior à pandemia. Hoje está, na média, em 40% nas três empresas, segundo a Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM). A estimativa de perda de receita é de R$ 1 bilhão nas três companhias, considerando todas as concessões e receitas não tarifárias.

A pasta afirmou que a Operação Monitorada é “avaliada ininterruptamente”. Quando necessário, mais trens comuns e de metrô entram em circulação para evitar aglomerações. “A oferta chega a 100% da frota em algumas linhas nos horários de pico, mesmo com a queda expressiva na demanda, em torno de 60%, em comparação com o funcionamento antes da pandemia”, detalhou.

Para Andreina Nigriello, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), os esforços para reduzir a propagação do novo coronavírus nos transportes de massa são medidas paliativas, e a pandemia apenas evidenciou a insustentabilidade de sistemas concebidos para falhar no futuro. “Há muito tempo já passou da hora de se repensar esses modelos”, disse a arquiteta urbanista, ao ser questionada sobre a eficácia das ações adotadas por gestores públicos e concessionárias para conter o avanço da doença.

“Temos um problema crônico nos transportes, e o indicador mais claro disso é o tempo de viagem das pessoas. Na região metropolitana de São Paulo, por exemplo, boa parte dos usuários mora fora do Centro expandido e demora até mais de uma hora numa só viagem”, ressaltou ela.

Andreina disse que vias e transportes foram pensados para conduzir até o Centro, que acabou se tornando o local mais acessível do planalto paulistano. Ela ressaltou que a falta de conectividade entre bairros, com o deslocamento não atendido por linhas perimetrais, reflete políticas que não buscaram fortalecer polos de emprego em outras regiões – tampouco consideraram que a população cresceria tanto, caso também de outras metrópoles.

Nos trens comuns, um robô que pulveriza névoa de gotículas ionizadas de desinfetantes entrou em campo. A solução limpa e elimina microrganismos e partículas em suspensão, como bactérias, germes e vírus, diz a Secretaria de Transportes Metropolitanos, ao ressaltar que os produtos têm aprovação da Anvisa e da Organização Mundial de Saúde (OMS), por exemplo.

Na parte preventiva, além da higienização com materiais como a velha água sanitária e álcool a 70%, limpeza de veículos e estações, uso de equipamentos de proteção e campanhas, a secretaria informou que tem buscado inovações. Ainda aguardando resultado de testes, apontou um tecido especial que eliminaria a contaminação cruzada pelo novo coronavírus no contato por superfície. Se o desempenho for favorável, a ideia é adotar o revestimento nos trens convencionais, no Metrô e nos ônibus.

A São Paulo Transportes (SPTrans) informou que 3,3 milhões de pessoas eram transportadas, em média, por dia útil, nos ônibus municipais antes da pandemia. Hoje, a média está em 1,6 milhão. Segundo a empresa, a frota “é sempre muito superior à demanda de passageiros desde o início da pandemia”. O grupo local de distribuição – com ônibus menores, que atendem os bairros mais afastados da região central – opera hoje com 92,5% da sua frota para 53% da demanda. Já a frota total – estrutural, articulação regional e distribuição – opera com 85,85% para 52% de passageiros, com 11.001 veículos ao todo.

Em razão da redução da quantidade de passageiros e da oferta de ônibus acima da demanda após o início da quarentena, a prefeitura de São Paulo estima ampliação do subsídio em torno de R$ 1,5 bilhão sobre o valor previsto no orçamento de 2020 – de R$ 2,25 bilhões. A SPTrans também informou ter intensificado a higienização de terminais.

No Distrito Federal, a Secretaria de Transporte e Mobilidade informou que desde maio, início da reabertura gradual, os transportes públicos operam com 100% da frota, cumprindo tabela normal de viagens. Com atividades escolares ainda suspensas, ônibus destinados a setores em que o público é predominantemente de estudantes foram remanejados para reforçar linhas mais demandadas, como as que ligam o Plano Piloto às demais cidades.

Na avaliação de Luiz Carlos Néspoli, superintendente da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) – que representa segmentos da cadeia produtiva de mobilidade, como fabricantes de veículos, empresas de ônibus e de transportes sobre trilhos -, a pandemia acelerou a necessidade de repensar as políticas de transporte. Na sua visão, os modelos atuais são antíteses do desenvolvimento econômico.

“Há dois pontos essenciais para a viabilidade da mobilidade, embora boa parte das cidades no país ainda não tenha avançado nisso. Um é a adoção de faixas prioritárias para ônibus, o outro é construir estudos que permitam a reorganização das atividades, econômicas ou de prestação de serviços, a fim de achatar os picos de deslocamento”, observou.

O engenheiro afirmou que a saída quantitativa seria adicionar ônibus à frota que circula, já que metrôs e trens têm nesse aspecto capacidade de expansão limitada – mas não basta. “E isso também tem um custo, que não pode recair sobre as tarifas onerando usuários. As cidades brasileiras precisam acompanhar outros exemplos no mundo, onde a população arca com pequena parte apenas desse financiamento. É importante lembrar que os transportes servem às cidades e à economia”, ressaltou ele, ao ressalvar que São Paulo é exceção no quesito subsídio.

A ANTP adiantou ao Valor que vai lançar documento, por ocasião da disputa eleitoral, que reúne essas e outras propostas técnicas. “Temos que caminhar para novo produto de transporte, o que não será uma transição imediata, mas deve prever estímulos ao rearranjo de horários de funcionamento dos estabelecimentos e, dessa forma, do deslocamento de pessoas.”

Compartilhe esta matéria

Redação UNIBUS RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *