Só 1% das empresas de transportes superaram prejuízos da pandemia, aponta CNT

Do Poder 360
Foto: Matheus Felipe/Ilustração

Pesquisa da CNT (Confederação Nacional do Transporte) mostra que 97% das empresas do setor enfrentam prejuízos causados pela pandemia. Além disso, 53,4% afirmam não ser possível prever quando os prejuízos vão terminar. E apenas 1,2% afirmaram que em 2021 suas empresas deixaram de ser prejudicadas economicamente pela covid-19.

O estudo realizado de 24 a 30 de março com 580 empresas de cargas e de passageiros, mostra que o impacto da covid-19 pode se manter por um longo período. Entre os participantes, 58,4% continuam com faturamento abaixo do registrado em períodos anteriores ao de emergência sanitária.
Em março, 68,3% afirmaram que tiveram redução de demanda por serviços de transporte. Isso fez com que 69,0% registrassem queda de faturamento e 41,2% tiveram o tamanho da empresa diminuído. O cenário resultou em uma diminuição de 44,7% no quadro de trabalhadores do setor.

A CNT indica ainda que, para sair dessa situação, é necessária a vacinação em massa da população. Essa medida foi apontada como a que deveria ser prioridade do governo por 73,4% dos entrevistados.

Além disso, os empresários também afirmaram que é preciso que medidas econômicas sejam retomadas em 2021. Uma delas é a concessão de crédito às empresas. Foram 43,4% dos empresários do setor que disseram ter pedido empréstimos a instituições financeiras. Desses, 46,4% tiveram o pedido negado.

“As reduções bruscas na demanda e no faturamento têm atingido as empresas do setor em um momento crítico, com dificuldades para obtenção de crédito e a necessidade de adotar demissões“, disse o presidente da CNT, Vender Costa, em nota.

Uma forma de evitar demissões, de acordo com os empresários, é a volta da redução de jornada e salários, que é prometida pelo governo federal. Defendem também a permissão para suspender temporariamente contratos de trabalho pelos próximos 60 dias.

O governo de Jair Bolsonaro implementou o BEm (Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda) em abril de 2020. Empregadores e funcionários podiam assinar acordos individuais para a suspensão de contratos. Também era permitida a redução de 25%, 50% ou 70% no tempo de trabalho, com corte proporcional de salário.

O trabalhador era compensado parcialmente pelo Tesouro Nacional. O programa custou aproximadamente R$ 33,5 bilhões aos cofres públicos e terminou em dezembro do ano passado.

O ministro da Economia Paulo Guedes já afirmou que o programa de corte de jornadas e salários deve voltar. No início de março, a equipe econômica falou em uma nova fase, em que a suspensão do contrato poderia durar até 4 meses. Mas até o momento a proposta não foi apresentada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.