Operações internacionais da Marcopolo são destaque no terceiro trimestre

Por Secco Comunicação
Foto: Divulgação (Volvo do Brasil)

As operações internacionais da Marcopolo foram o destaque no terceiro trimestre deste ano. A companhia teve crescimento de vendas em praticamente todas as operações no exterior, que alcançaram R$ 284,7 milhões no 3T21 contra R$ 164,0 milhões no 3T20, um aumento de 73,6%. Já a produção nos mercados externos somou 696 unidades, quase o dobro do volume produzido no terceiro trimestre do ano passado.

“A Marcopolo Argentina manteve produção acelerada de urbanos, entregando resultados consistentes, que devem aumentar no quarto trimestre. A Marcopolo África do Sul conseguiu atingir o ponto de equilíbrio a partir da reestruturação da operação, também com perspectivas positivas para os próximos trimestres. A Marcopolo China mostra retomada gradual de vendas, inclusive com a abertura de novos mercados”, afirma José Antonio Valiati, CFO e diretor de Relações com Investidores da Marcopolo.

No Brasil, os resultados do 3T21 foram impactados pela concessão de férias coletivas, motivadas pela falta de componentes eletrônicos que afeta o setor automotivo. A produção consolidada da companhia foi de 2.210 unidades no 3T21, sendo 1.514 unidades no Brasil, volume 50,6% inferior à do 3T20 (3.064 unidades).

A Marcopolo manteve sua liderança na produção brasileira de carrocerias de ônibus mesmo com a interrupção das atividades por conta das férias. A produção deverá se acelerar no 4T21, com aumento das vendas voltadas a rodoviários pesados e exportação, bem como pelo retorno dos volumes do programa Caminho da Escola.

“Estamos habilitados a fornecer 3.900 unidades, ou seja, 2.500 micros e 1.400 Volares, de um total de 7.000 ônibus licitados pelo programa federal este ano. Já começamos a fabricar esses veículos e a expectativa é positiva para o quatro trimestre deste ano e para o primeiro semestre de 2022, considerando o alto volume de adesões por parte dos municípios”, relata Valiati.

No 3T21, 2.341 unidades foram registradas na receita líquida, sendo 1.421 faturadas no Brasil (60,7% do total), 224 exportadas a partir do Brasil (9,6%) e 696 no exterior (29,7%).

O lucro bruto consolidado do 3T21 atingiu R$ 72,0 milhões, com margem de 9,5%, contra R$ 136,7 milhões, com margem de 16,3%, no 3T20. A margem bruta foi afetada por ajustes no quadro de pessoal, menor volume de exportações, maior representatividade da receita do segmento Volare e pelo mix mais leve de produtos, especialmente no segmento de rodoviários, com vendas concentradas no fretamento. O EBITDA totalizou R$ 95,1 milhões no 3T21, com margem de 12,6%, e o lucro líquido alcançou R$ 107,1 milhões, com a contribuição de eventos não recorrentes.

“Mesmo neste contexto crítico gerado pela pandemia, seguimos realizando investimentos estratégicos que permitiram ganhos de eficiência, qualidade e lançamento de produtos inovadores, incluindo a exploração de novos modais, como o transporte sobre trilhos. O desafio se renova em um cenário de persistente elevação de custos, porém hoje a Marcopolo se encontra dimensionada para retomar a trajetória de sucesso que marca sua história”, conclui o executivo.

Com o arrefecimento da pandemia, a companhia observa um ambiente adequado para recuperação gradual dos resultados e segue confiante quanto às perspectivas para o próximo ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.