Natal: Cobrança de tarifa em linha que atende a UFRN gera polêmica entre usuários

Por UNIBUS RN
Fotos: Matheus Felipe

O início da operação da linha Alimentadora UFRN, que ocorreu ontem (01/12), veio com um misto de alegria e indignação para quem precisou ir ao Campus Universitário. Enquanto se havia a certeza de ter uma opção para ir na maior instituição de ensino potiguar usando ônibus, o anúncio da cobrança de tarifa na linha trouxe enorme surpresa, gerando reações negativas e muitas críticas na operação do serviço.

A operação ocorre, neste momento, com um ônibus. Disponibilizado pela empresa Santa Maria, o veículo circula no itinerário do atendimento Direto da antiga linha 588 (Circular Campus), atendendo primeiro os Setores de Aulas e voltando pela Reitoria, tendo seu ponto de retorno nas imediações do Shopping Via Direta, no conjunto Mirassol.

A surpresa, que trouxe uma enxurrada de reclamações por parte da comunidade universitária, foi a cobrança de tarifa nessa nova linha Alimentadora. De acordo com a Prefeitura do Natal, a linha terá tarifa de R$ 3,20 e está disponível para o uso da meia passagem, que custa R$ 1,60.

Até março de 2020, a sede da UFRN era atendida pela linha 588. Sem cobrança de tarifa, a linha era operada por 8 veículos, representando as seis empresas de ônibus que atendem Natal atualmente. A operação do Circular ocorria gratuitamente há, pelo menos, 25 anos, após reivindicações da comunidade universitária. Ter a linha circulando gratuitamente nos setores de aulas é considerada uma das maiores conquistas da história da UFRN.

Com a pandemia da COVID-19, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte suspendeu as aulas presenciais, o que fez com que a linha 588 tivesse sua operação paralisada. Aos poucos, a instituição vem retomando suas atividades internas e já anunciou que retomará as aulas em suas instalações em fevereiro de 2022.

Explicações: Com a grande quantidade de reclamações dos estudantes e funcionários da UFRN, o UNIBUS RN procurou a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana para que explicassem o motivo de implantar a cobrança da tarifa, haja vista que, na operação anterior, o atendimento à UFRN era feito sem cobrança de valores nos ônibus.

Em nota enviada pela sua assessoria de imprensa, a STTU esclareceu que a antiga linha 588 tinha seu custo operacional bancado pela arrecadação das demais linhas de ônibus de Natal e que o modelo de sustentação do sistema, bastante afetado pela pandemia da COVID-19, não permitiria mais essa espécie de subsídio. “No caso dessa linha, o custo operacional era subsidiado pelas demais linhas do sistema. Ou seja, o sistema de transporte custeava a tarifa dos usuários do antigo circular da UFRN. Contudo, o atual cenário, de elevada perda no número de passageiros, coloca em xeque o equilíbrio que garantia o funcionamento de tal operação”, diz o comunicado da pasta.

Apesar disso, a STTU garante que “a integração dos usuários que vem do sistema de transporte coletivo de Natal permanece gratuita para o Alimentador UFRN, sem qualquer custo adicional”, usando para isso o sistema de integração temporal da bilhetagem eletrônica. “Na vinda das linhas que tem tarifa de R$ 1,95 (meia estudantil), o passageiro fará a integração sem pagamento adicional. Já na saída da UFRN, tendo em vista que a tarifa é R$ 1,60 (meia estudantil), haverá o pagamento complementar de R$ 0,35 para completar a tarifa normal do sistema. Nos demais deslocamentos, o passageiro pagará a tarifa R$ 1,60 (meia) e R$ 3,20 (inteira), tanto nos pagamentos em cartão ou em dinheiro”, explica a nota.

Isso garantiria, segundo o órgão, o atendimento do transporte público ao Campus Universitário e a possibilidade do deslocamento do passageiro que esteja em qualquer ponto da cidade para a instituição.

Protesto: O argumento de um melhor atendimento para o Campus com a cobrança de tarifa na linha alimentadora não foi bem digerido pela comunidade universitária. Tanto é que, hoje, há um protesto marcado contra essa medida.

O Diretório Central dos Estudantes da UFRN (DCE) anunciou para hoje, 02, uma manifestação pedindo a extinção da cobrança da tarifa na linha Alimentadora UFRN. Prevista para iniciar às 10h, a mobilização ocorrerá em frente à sede da STTU, na Ribeira, e terá como principal pauta o pedido de anulação imediata da cobrança da tarifa na operação recém iniciada do transporte público na universidade.

Ouvida pelo jornal Tribuna do Norte, a coordenadora geral do DCE, Letícia Correa, classifica que a medida quebrou um “direito inegociável” dos estudantes e espera que o protesto tenha grande adesão. “O circular gratuito é um direito inegociável conquistado pelos estudantes que beneficia toda a população que utiliza o transporte público. A atitude tomada pela STTU só demonstra, ainda mais nitidamente, que a única preocupação que eles apresentam são com os empresários. Por isso, é mais do que necessário que a população, especialmente os estudantes, possam ir ás ruas denunciar e reivindicar essa decisão”, disse ao jornal.

O que diz a UFRN: Até o fechamento da matéria, a UFRN não havia se posicionado oficialmente sobre a polêmica tarifação da linha de ônibus. Em seu site oficial, havia apenas uma curta nota em que destaca o reinício da operação do transporte público e ressalta a série de reuniões que foram realizadas com a participação da prefeitura, do SETURN (entidade que representa as empresas de ônibus) e órgãos judiciais – tanto a nível federal quanto a nível local – com o objetivo de mostrar o quanto a paralisação do serviço era prejudicial para estudantes e funcionários da universidade.

A nota reforça também que “a nova linha compõe o sistema de transporte coletivo da cidade, de responsabilidade do poder executivo municipal”, sem entrar no assunto da cobrança da tarifa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.