No RN, crise deixa 227 mil pessoas sem ônibus intermunicipais

Da Tribuna do Norte
Foto: Andreivny Ferreira (UNIBUS RN)

A crise vivida pelo transporte público no País também atinge as cidades do interior do Estado e tem deixado potiguares com dificuldades para se deslocar de municípios mais distantes dos grandes centros. Segundo dados da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste (Fetronor), 36 cidades não possuem nenhum tipo de transporte, ônibus nem opcionais, deixando a população dependente de outros serviços, como táxis e transportes clandestinos. Ao todo, são 227 mil potiguares impactados com a situação.

Segundo a Fetronor, desde os anos 90, as empresas de ônibus têm enfrentado problemas financeiros que fizeram com que várias linhas intermunicipais fossem encerradas. Foram 89 linhas, de acordo com a entidade, espalhadas em vários municípios do Estado. Aliado a isso, o crescimento dos veículos clandestinos, sem regularização junto ao Departamento de Estradas e Rodagens (DER-RN), inviabiliza as linhas.

“Esses municípios têm clandestinos rodando. As passagens são mais caras, eles não têm regras, não pagam impostos e colocam o preço que querem. Nestes locais onde os ônibus deixaram de rodar, os benefícios que a lei dá, que somos obrigados a dar, meia-passagem, gratuidade do idoso, seguro. É cada um por si, não há carteira assinada, não tem a responsabilidade de andar, só rodam se tiver passageiro”, reclama Eudo Laranjeiras, presidente da Fetronor, que também cobra subsídio do Governo do Estado para custeio do sistema. “O responsável é o Poder Público. Esse modelo em que o custo do sistema quem paga é o passageiro, inclusive as gratuidades e meia-passagem, isso se exauriu”, diz.

Na semana passada, uma das empresas que atendia o transporte na Grande Natal, a Campos, anunciou o encerramento das atividades alegando crise financeira e diminuição da demanda nos últimos anos. Para Eudo Laranjeiras, a situação exemplifica a crise do transporte no País. Antes, em fevereiro, a Parnamirim Field também encerrou as atividades.

“É mais uma que fecha as portas em função da gravidade do processo que se encontra o transporte no RN. Se fala muito em Natal, mas o Estado sofre muito, com condições diferentes: há muita clandestinidade, as empresas que fazem essas linhas do interior têm sofrido muito com isso e o Estado atua muito pouco na fiscalização” cita.

Atualmente, segundo dados do DER, a Grande Natal possui 6 empresas que ofertam linhas, o interior têm outras 5 empresas. As linhas opcionais do interior, os microonibus, são 138. O Estado possui 178 linhas de ônibus, não inclusas as da capital. Segundo Eudo Laranjeiras, no interior do Estado já chegaram a ser 10 empresas.

Para a diretora em exercício do Departamento de Estradas, Natécia Nunes, o problema dos municípios sem acesso faz parte de um contexto de difícil resolução a curto e médio prazo. Para se fazer uma licitação para que as empresas tenham interesse, por exemplo, o órgão precisaria intensificar a fiscalização dos veículos clandestinos, propiciando, portanto, espaço para as empresas rodarem e ofertarem linhas. A dificuldade de falta de pessoal, no entanto, atrapalha os planos do DER.

“Esses municípios menores estão cheios, lotados de transporte clandestinos. Como essa empresa vai entrar num município tão distante se não é rentável com isso? Temos uma política de fiscalização, mas não é suficiente. Precisaríamos de mais veículos e mais fiscais para combater os clandestinos e assim as empresas poderem trabalhar e pagarem seus impostos” acrescenta. São seis fiscais e dois policiais militares que fiscalizam os 3,3 mil km do Estado.

O diretor de transportes do DER-RN, Rômulo Lins, cita que uma forma de diminuir a clandestinidade e propiciar transporte seguro para os potiguares é uma portaria, regulamentada em abril de 2020, em que o órgão regulariza carros e veículos, sem ser táxis, para fretamento eventual.

“A gente consegue uma boa fiscalização dentro das possibilidade. Editamos uma portaria que parte desses clandestinos que permite esse carro pequeno se cadastrar. Temos cerca de 1.000 carros, regularizados, que fazem viagem eventual. Eram clandestinos e hoje estão legalizados. Mas muito insistem em continuar na ilegalidade. Não há procura como esperamos. É como se fosse um táxi intermunicipal, para viagens eventuais”, cita.

Dificuldades no interior do Estado: Somadas as populações estimadas em 2021 das 36 cidades, pelo menos 227.189 potiguares impactados com a falta de transporte. Os relatos de quem mora no interior do Estado apontam que, sem ônibus, precisam recorrer a vans, táxis, carros e ônibus das prefeituras para poderem se deslocar para os destinos.

Taboleiro Grande, a 381 km de Natal, é uma das cidades do Rio Grande do Norte que não possui nenhum tipo de transporte, seja ônibus ou linhas opcionais.

“Temos três vans aqui, com horário pra sair, mas quando chega em Pau dos Ferros, as pessoas ficam esperando as outras, que demoram mais, resolverem suas coisas pra poder voltar. À tarde é mais complicado, porque geralmente só tem um carro que vai, de 12h. Pra quem não tem transporte é horrível, às vezes a gente quer ir e não tem. Às vezes eu resolvo uma coisa em uma hora, e ficamos esperando. Já tive de chegar em casa de 13h30, tendo resolvido minha situação de 9h”, reclama a professora do Ensino Fundamental, Ceiça Bessa, 47 anos.

O servidor público Aldenio Alves, 38 anos, diz que quando os munícipes de Taboleiro Grande precisam ir à Natal, por exemplo, não dá para ir de forma direta, necessitando um deslocamento para Pau dos Ferros ou Mossoró. Na cidade, que tem população estimada em 2,6 mil pessoas, pelo menos três vans fazem essas linhas, que cobram entre R$ 30 e R$ 60.

“Para Pau dos Ferros essas vans atendem bem, mas pra ir à capital não temos ninguém na cidade que faça isso. Quando é alguém com problema de saúde, a prefeitura disponibiliza. Do contrário, tem que ir pra Pau dos Ferros”, diz Aldenio.

A falta de transporte afeta também estudantes, como é o caso de João Vitor de Souza, 16 anos, que têm dificuldades todos os dias para sair de sua comunidade na zona rural de Pendências para ir às aulas em Macau. Ele utiliza um carro e um ônibus da prefeitura, todos os dias, para chegar ao campus Macau do IFRN.

“Se a gente perde esse ônibus da Prefeitura, fica complicado. Ou então vamos ter que ir pra entrada de Pendências esperar algum ônibus, porque na cidade só tem um ônibus que leva o pessoal para o IFRN”, diz João Vitor.

Há situações ainda mais complexas para estudantes, como é o caso de Daniele Rodrigues, 16 anos, que mora em Galinhos, litoral Norte potiguar. Todos os dias, ela acorda às 4h50 para pegar uma balsa e posteriormente pegar um ônibus da prefeitura para chegar à sua escola, em Macau.

“De 5h30, pego essa balsa para ir ao outro lado onde vai ter a van para eu ir pra o IFRN. Por volta das 12h45, a van chega e me traz de volta pra Galinhos. Se eu não for de balsa, não tenho outra alternativa para ir”, comenta.

Em alguns casos, potiguares fazem uso de veículos para se deslocarem entre os municípios, carros estes que não são regularizados junto ao Departamento Estadual de Rodagens (DER-RN) e não podem fazer “lotação”. Nesses casos, segundo Eudo Laranjeiras, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Nordeste (Fetronor), esses carros não possuem seguro de vida para os passageiros nem pagam impostos.

“Nesses municípios, a população sofre muito porque às vezes precisam se deslocar e trazem transtornos pra nossas populações. Estamos fazendo um levantamento, isso tem acontecido nas maiores cidades do Estado, com linhas e empresas fechando as portas e estamos preocupados. Vamos nos reunir com os prefeitos para tomar uma saída”, comenta o presidente da Federação dos Municípios do RN (Femurn), Anteomar Pereira, o Babá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.