TCU vai decidir se ANTT volta a autorizar funcionamento de novas linhas de ônibus

Por Broadcast+
Com informações do jornal O Estado de S. Paulo
Foto: Divulgação (ANTT)

O Tribunal de Contas da União (TCU) deverá decidir nesta quarta-feira, 05, se revogará uma medida cautelar que impede a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de autorizar o funcionamento de novas linhas de ônibus interestaduais. Como revelou o Broadcast+, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, em julho, a unidade técnica da Corte sugeriu que a cautelar seja derrubada pelo plenário. A decisão que forçou a ANTT a parar de liberar novas linhas foi concedida pelo ex-ministro Raimundo Carreiro, enquanto ainda estava no TCU, em março do ano passado.

Ministro que herdou a cadeira e os processos de Carreiro, Antônio Anastasia decidiu levar o assunto ao plenário nesta quarta. A votação é esperada com grande expectativa por técnicos da ANTT, tendo em vista a posição da unidade técnica do TCU. Antes mesmo do relatório produzido neste ano, os auditores da Corte já tinham recomendado, em análise preliminar, a revogação da cautelar dada por Carreiro, o que não foi seguido pelo então ministro no ano passado.

Como mostrou o Broadcast, em instrução aprofundada sobre o processo, os técnicos do TCU descartaram a imensa maioria das denúncias relatadas ao tribunal pela Associação Nacional das Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros (Anatrip). Segundo a Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura Rodoviária e Aeroportuária da Corte, responsável pelo parecer, as alegações da Anatrip ao TCU consideradas procedentes são de menor “significância” ou já são alvo de revisão pela ANTT.

O processo na Corte de Contas tem como pano de fundo uma batalha travada por empresas já consolidadas no mercado contra as novas regras de funcionamento de linhas de ônibus interestaduais. Com base nas alegações da Anatrip – quase 100% integralmente rejeitadas pela unidade técnica do TCU -, a ANTT está até hoje impedida de autorizar que novas empresas atuem no mercado, o que acaba beneficiando companhias que já atuam no setor.

“Não se identificaram, nestes autos, suficientes indícios de maiores consequências decorrentes de eventuais falhas da Agência (…) que justificassem manter suspensas as emissões de autorizações e licenças, privando mercados dos benefícios da ampliação da concorrência”, apontou a unidade técnica do TCU em parecer produzido no primeiro semestre.

O único problema de maior relevância sobre a atuação da ANTT nesse setor, identificado no relatório, diz respeito a duas regras que, segundo a própria agência reconheceu, destoam do princípio de livre concorrência e, por isso, não estarão presentes no novo marco regulatório do transporte rodoviário. A expectativa é que o documento seja votado ainda neste ano pelo órgão regulador. Por isso, a área técnica do tribunal sugere que, até a entrada em vigor do novo marco, a ANTT não negue autorizações de linhas de ônibus com base nessas normas consideradas anticoncorrenciais. Os artigos em questão tratam de exigências técnicas relacionadas ao volume de passageiros por quilômetr

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.